jogadora do corinthians comemorando gol
Futebol, Futebol Feminino, Futebol Nacional

Corinthians: um exemplo a ser seguido no Futebol Feminino

Taís Miotti
Siga-me

Após vencer a Libertadores, o Brasileirão e o Paulistão, a equipe feminina do Corinthians teve um 2021 perfeito.


A trajetória do Corinthians com a modalidade feminina teve início em 1997, mas acabou enfraquecendo com o tempo. Após firmar colaboração com o Audax, de Osasco (SP), em 2016, e assumir a gestão própria da equipe, voltou a ter presença no cenário nacional. A partir de 2018, o clube alvinegro passou a dominar de forma contínua o futebol brasileiro na categoria.

Atuais campeãs da Libertadores da América, Brasileirão e Campeonato Paulista, o Corinthians teve uma temporada espetacular. A conquista da tríplice coroa na temporada 2021 é resultado de uma série de investimentos e modernizações que ocorrem no clube desde a reativação da equipe.

 

Campeãs de tudo

Desde 2016 foram dez títulos conquistados: Copa do Brasil em 2016; Libertadores em 2017, 2019 e 2021; Brasileirão em 2018, 2020 e 2021 e Paulista em 2019, 2020 e 2021, além de dados alcançados impressionantes. Nos 151 jogos disputados nos últimos cinco anos, o time comandado pelo técnico Arthur Elias alcançou 125 vitórias, 17 empates e apenas 9 derrotas. Além disso, foram 459 gols marcados e apenas 81 sofridos (Sofascore Brasil). Em 2021 obteve 90% de aproveitamento, não vencendo apenas 5 dos 42 jogos da temporada.

Para explicar o sucesso da equipe ao longo dos anos, existe uma personagem muito importante. Além do técnico Arthur, a diretora de futebol Cris Gambaré é umas das responsáveis por iniciar o projeto do futebol feminino corinthiano em 2016.

Cris Gambaré e Arthur Elias
Cris e Arthur. Foto: Staff Images Woman/CBF

 

Formação do elenco do Corinthians para 2022

Além da organizada gestão, foi realizado um planejamento a longo prazo. Muitas das jogadoras já haviam atuado com o técnico desde 2013 (quando se sagrou campeão brasileiro com o Centro Olímpico), fator que facilitou o entrosamento entre a equipe. Seu modelo de jogo já está entendido pelo elenco.

Ademais, desde 2019 as contratações do clube foram de jogadoras jovens e promissoras, para que tenham uma trajetória mais duradoura na equipe.  Ao invés de buscar nomes consagrados, para assumirem titularidade de imediato, a intenção é incrementar a força do plantel com atletas que tenham a possibilidade de se desenvolver.

Dessa forma, o clube já deu início às renovações contratuais da equipe para 2022. Por meio do Twitter, oficializou a continuidade do contrato de três de suas atletas. Dentre elas, as laterais Katiuscia e Yasmin; as goleiras Paty, Taina Borges, Kemelli e Natascha; a volante Diany; as atacantes Gabi Portilho, Bianca Gomes e Jheniffer; as zagueiras Giovana Campiolo e Tarciane e as meias Juliete e Miriã também tiveram seus contratos renovados

Jogadoras do Corinthians comemorando a conquista do brasileirão 2021
Foto: Danilo Fernandes / Meu Timão

 

Leia Mais:

Criterioso, Corinthians já começa a planejar o ano de 2022

O que a USL Super League significa para o futebol feminino?

 

Investimento no Corinthians e referência no futebol brasileiro

Além da forte equipe que está sendo formada, o presidente do Corinthians, Duílio Monteiro Alves, afirmou que os investimentos na modalidade terão continuidade:

A gente se emociona em ver essa modalidade crescendo muito. A torcida do Corinthians é diferente, abraçando as nossas meninas, batendo recorde mais uma vez. Parabenizar a diretoria, a comissão. Hoje somos tricampeões paulista, brasileiro e da Libertadores da América. Vamos continuar investindo, e foi um passo importante para toda a modalidade no Brasil. O futebol feminino tende a crescer – Duílio à FPF TV.

Com o apoio efetivo da diretoria no projeto de desenvolvimento da modalidade, tanto pela preocupação em relação às atletas e também na divulgação dos compromissos da categoria por meio de intensivo marketing, existe a tendência de que o Corinthians continue sendo a maior referência nacional pelos próximos anos. Principalmente em comparação aos demais clubes brasileiros, onde muitas vezes não há esforço para que um maior espaço seja conquistado. Desse modo, a agremiação se configura hoje como um modelo de gestão a ser seguido pelas demais equipes, atitude importantíssima para que o futebol feminino cresça também no cenário mundial. Quando isso acontecer, mais mulheres se sentirão incentivadas a se tornarem jogadoras, além de atrair maior público aos estádios e intensificar o mercado desportivo em todos os setores.

 

Taís Miotti

Economista falando de futebol nas horas vagas.
Ler todas as publicações de Taís Miotti
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments